Oops! It appears that you have disabled your Javascript. In order for you to see this page as it is meant to appear, we ask that you please re-enable your Javascript!

Profissionais da UPAE e HDM participam de capacitação sobre violência contra a mulher

Foram dois dias de capacitação visando a efetivação da proteção às mulheres e o acolhimento humanizado.

Psicólogos e assistentes sociais da Unidade de Pronto Atendimento e Atenção Especializada de Petrolina (UPAE) e do Hospital Dom Malan (HDM) participaram, assim como as demais unidades de Pernambuco ligadas à Rede IMIP Gestão Hospitalar, da capacitação “Falando Sobre a Violência contra a Mulher e Marcos Regulatórios”.

A iniciativa é uma promoção do IMIP em parceria com o Tribunal de Justiça de Pernambuco (TJPE), que está promovendo no estado um debate sobre o tema com diversas instituições.

Com a juíza titular da 1ª Vara de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher do Recife (VVDFM/TJPE), Dra. Ana Cristina Mota, a psicóloga Santana Moura e a assistente social Aldemeire Fernandes, a palestra foi retransmitida por meio de videoconferência e abordou temas como aspectos históricos da violência, cultura patriarcal, situações de violência física e psicológica, além da postura profissional na abordagem e no atendimento às vítimas. 

Foram dois dias de capacitação – 11 e 12 de dezembro – visando a efetivação da proteção às mulheres e o acolhimento humanizado. “É preciso que haja um trabalho em rede para efetivação dessa proteção e nós da assistência também fazemos parte disso, então não poderíamos ficar de fora”, avaliou a supervisora do serviço social da UPAE, Nazaré Cunha.

“Durante esses dois dias fortalecemos o diálogo, compartilhamos informações e experiências e ratificamos que a intersetorialidade no atendimento à mulher vítima de violência ainda é o melhor caminho”, ressaltou positivamente o supervisor do serviço social do HDM, Tiago Oliveira, já fazendo a ressalva de que o Dom Malan é, na região, a referência para atendimento às vítimas de violência doméstica e sexual.

Deixe uma resposta