Rejeito de Brumadinho ameaça um dos principais afluentes do Rio São Francisco

Usina hidrelétrica de Retiro Baixo (Foto: Google Maps)

A chegada dos rejeitos da barragem de Brumadinho (MG) na hidrelétrica Retiro Baixo, instalada no Rio Paraopeba, representa uma ameça a este, que é um dos principais afluentes do Rio São Francisco, e pode comprometer as operações da usina.

A Agência Nacional de Águas (ANA), confirmou que a barragem da usina hidrelétrica Retiro Baixo, localizada a 220 km do local do rompimento “possibilitará amortecimento da onda de rejeito”. Segundo a ANA, a estimativa é que essa onda atinja a usina dentro de dois dias.

LEIA TAMBÉM:

Barragem da empresa Vale do Rio Doce se rompe em Brumadinho (MG)

A hidrelétrica Retiro Baixo está localizada entre os municípios mineiros de Curvelo e Pompeu. A usina tem duas turbinas em operação, com capacidade instalada de 82 megawatts, energia suficiente para atender 200 mil habitantes, e opera desde 2010. Seu reservatório é de 22 quilômetros quadrados.

Por meio de nota, a ANA informou ainda que está em constante comunicação com os órgãos e autoridades federais e estaduais, inclusive no âmbito de recente Acordo de Cooperação sobre Segurança de Barragens, que está permitindo troca facilitada e mais rápida de dados sobre a situação no local do ocorrido.

“A ANA está monitorando a onda de rejeito e coordenando ações para manutenção do abastecimento de água e sua qualidade para as cidades que captam água ao longo do Rio Paraopeba”, declarou. “A fiscalização da barragem rompida, de acumulação de rejeito de mineração, cabe à autoridade outorgante de direitos minerários”, informou a agência, referindo-se à Agência Nacional de Mineração (ANM).

A equipe de reportagem do Blog Waldiney Passos, tentou contato com o Comitê da Bacia Hidrográfica do São Francisco (CBHSF), para saber maiores detalhes dessa ameaça ao Rio Paraopeba, e os reais prejuízos que podem ser causados ao Velho Chico, principalmente à região do Vale do São Francisco. Infelizmente, as ligações não foram atendidas. Nossos repórteres enviaram um e-mail ao CBHSF, solicitando os esclarecimentos citados, mas até o momento não obtiveram resposta. O blog segue acompanhando os desdobramento dessa tragédia.

Com informações do Jornal Correio

Deixe uma resposta