Ronaldo Silva rebate críticas sobre ida de vereadores a Brumadinho: “Nossos companheiros foram trabalhar”

Cancão e Costa ficarão na cidade mineira até sexta-feira (Foto: Ascom/Cristina Costa)

Ronaldo Souza (PTB) e Cristina Costa (PT) estão em Brumadinho (MG). Os vereadores de Petrolina compõem a Comissão Especial criada há poucos dias, após sugestão de Gabriel Menezes (PSL), cujo objetivo e acompanhar de perto a situação da barragem e a chegada dos rejeitos ao rio São Francisco.

LEIA TAMBÉM:

Vereadores de Petrolina vão a Brumadinho em busca de informações sobre poluição do Rio São Francisco

Gabriel Menezes pede criação de Comissão Especial da Câmara para visitar Brumadinho

Presidente do CBHSF faz alerta sobre rejeitos de Brumadinho no rio São Francisco: “Sem dúvida alguma haverá um impacto”

Contudo, a visita dos edis chegou a repercutir de forma negativa em uma pequena parcela da sociedade, mas os colegas de Casa Plínio Amorim saíram em defesa. Para o vereador Ronaldo Silva (PSDB), a visita dos vereadores não é viagem de férias.

“A gente vê várias críticas. Essa ida dos vereadores foi ideia de Gabriel Menezes e todos aprovaram. Agora questionam o que os vereadores foram fazer lá, foram passear, fazer turismo? Não, isso mostra a preocupação da nossa Casa. De lá nunca vem as informações certas e [a viagem]. É importante sim, tem que saber o que está acontecendo. É nosso papel representar o povo de Petrolina, nossos companheiros foram trabalhar”, disse o edil.

Agenda em Minas Gerais

Ronaldo e Cristina ficam em Minas Gerais até esta sexta-feira (22). Na agenda de compromissos estão reuniões com vereadores de Brumadinho, Betim e Belho Horizonte. “Esse acompanhamento é importante porque nossa população está preocupada com as consequências do desastre”, disse Costa.

Autor do pedido para criar a comissão, Gabriel não viajou por motivos pessoais, pois seu filho adoeceu. Ruy Wanderley (PSC) também teve contratempos e não pôde ir. Após a visita os edis deverão apresentar as informações colhidas em um relatório e cobrar providências das autoridades.

Deixe uma resposta