Acusado de homicídio, vereador Dr. Jairinho é afastado da Comissão Ética da Câmara do Rio

(Foto: Reprodução/Câmara do Rio)

O Conselho de Ética da Câmara Municipal do Rio decidiu, em reunião na tarde de quinta-feira (8), afastar o vereador Dr. Jairinho (sem partido) do cargo que ocupava na comissão e vai solicitar à Justiça acesso aos autos da investigação que resultou na prisão temporária do vereador na manhã desta quinta, para analisar as denúncias que poderão embasar um pedido de cassação do mandato do parlamentar por quebra de decoro.

Jairinho e a companheira Monique Medeiros são suspeitos de homicídio duplamente qualificado, com emprego de tortura, do filho dela, Henry Borel, de 4 anos de idade.

Com a prisão temporária do parlamentar decretada pela Justiça, Jairinho terá seu salário suspenso e ficará afastado do mandato após 31 dias de prisão, como determina o Artigo 14 do Regimento Interno da Câmara Municipal.

Caso Henry Borel: Dr. Jairinho é preso preventivamente no RJ

Dr. Jairinho teria feito sessão de tortura (Foto: Reprodução/TV Globo)

Um mês após a morte do menino Henry Borel, a Polícia Civil do Rio de Janeiro prendeu, nesta quinta-feira (8), o vereador Dr. Jairinho (Solidariedade) e a mãe do garoto, Monique Medeiros. Eles estão presos preventivamente por 30 dias.

O casal foi detido no início da manhã. Eles estava na casa do pai do político, o ex-deputado estadual Coronel Jairo. No último dia 8 de março eles relataram que Henry, de apenas quatro anos, sofreu um acidente doméstico, que teria resultado na sua morte.

Acidente doméstico não foi causa da morte, segundo perícia

Porém, após perícias e a reconstituição do fato – sem a presença do casal, que se recusou a comparecer – a Polícia Civil fortaleceu a hipótese de que Jairinho agrediu Henry no condomínio de luxo onde vivia, na Barra da Tijuca. Os laudos da perícia também indiciaram que os ferimentos apresentados no corpo da vítima eram resultado de violência física.

LEIA MAIS