Terceirizados da Univasf de Petrolina cobram pagamento de salário; Univasf afirma que corte do MEC impede “pagamento de despesas nos respectivos prazos”

Univasf teria débito com empresa, que atrasa pagamento de salários (Foto: Divulgação)

Servidores terceirizados que atuam na Universidade Federal do Vale do São Francisco (Univasf) de Petrolina procuraram o Blog para denunciar atraso no pagamento dos salários. A categoria é representada pela Empresas de Asseio, Conservação, Limpeza Urbana e Condomínios do Sertão Pernambucano (Siemaco) e de acordo com o presidente do Siemaco, o problema tem sido constante em 2019.

“Está atrasado o mês de agosto, nós já fizemos mediação no Ministério do Trabalho e em contato recente com a empresa, existia uma promessa de pagamento na sexta-feira passada e não pagaram. Ontem, prometeram pagar e hoje tive a confirmação que pagaram”, explicou João Soares.

De acordo com Soares, a Soll não cumpre sua parte em dias porque a Univasf estaria em débito com a empresa. “Segundo eles, estão com faturas em aberto na universidade que seriam quatro e não têm capital. Eles estão com a repactuação em atraso, que é o reajuste das tarifas deles“, disse o presidente do Siemaco.

A universidade teria constatado o débito, provocado pelo corte anunciado pelo Ministério da Educação (MEC) anunciado no primeiro semestre. Como consequência, a Soll precisou reduzir o número de funcionários, sobrecarregando os que ficaram. E a situação não deve melhorar para os terceirizados.

“Eles pagam com atraso. Resolvemos esse mês e já vamos nos preparar para o mês seguinte. Em julho, vieram pagar quase 8 de agosto. Esses atrasos são constantes, não temos a segurança de que resolvemos”, ressaltou Soares.

LEIA MAIS

Juazeiro: funcionários da limpeza urbana mantém paralisação e cobram pagamento salarial

Funcionários estão de braços cruzados desde ontem (Foto: Ascom/PMJ)

A paralisação dos funcionários da varrição de Juazeiro (BA), iniciada na terça-feira (25), segue sem previsão de encerramento. Em conversa com o Blog Waldiney Passos hoje (26), o diretor do Sindicato dos Trabalhadores em Limpeza Pública do Estado da Bahia (Sindilimp), Jamay Damasceno afirmou que os trabalhadores seguem de braços cruzados.

Previsão de pagamento

De acordo com Damasceno, entre 40 e 50 funcionários estão reivindicando o pagamento referente ao mês de maio. “Ainda não fizeram o repasse do mês de maio. A gente entrou em contato com o representante da empresa, que fica em Salvador, ele disse que poderia resolver a situação até hoje“, explicou à nossa produção.

Além de procurar os representantes da empresa MA2, terceirizada pela Prefeitura de Juazeiro para execução da limpeza urbana, o Sindlimp teria se reunido com o prefeito Paulo Bomfim (PCdoB). “O atraso é no repasse da Prefeitura e o prefeito disse que pagava hoje”, destacou o diretor do Sindlimp.

LEIA MAIS

IPA afirma que Odacy Amorim está isento em demissão de vigilantes

Vigilantes fizeram denúncia no programa Super Manhã de sexta-feira (14)

Na sexta-feira (14) o Blog publicou uma denúncia de vigilantes que atuam no Instituto Agronômico de Pernambuco (IPA). Os profissionais da segurança na unidade de Petrolina alegaram perseguição por parte do diretor-presidente do IPA, o ex-deputado Odacy Amorim (PT).

LEIA TAMBÉM:

“Achei muita covardia”, diz diretor de sindicato após garantir que demissão de vigias foi a mando de Odacy Amorim

Em nota encaminhada ao Blog, o diretor de Administração e Finanças do IPA, Daniel Sabóia ressaltou que o ex-deputado está “isento de qualquer participação na referida decisão”. Ainda segundo Sabóia, a contratação de vigilantes é terceirizada e houve uma troca de empresas.

Confira a seguir a nota:

LEIA MAIS