Pernambuco proíbe a utilização de som em espaços públicos e estabelecimentos comerciais a partir desta sexta-feira

Proibição terá validade de 30 dias (Foto: Hélia Scheppa/SEI)

Diante das constantes cenas de aglomeração, o Governo de Pernambuco determinou a proibição de música ao vivo, paredões e até mesmo orquestras pelo prazo de 30 dias. A medida passa a valer já nesta sexta-feira (15) e inclui até mesmo músicas em espaços públicos, como as praias.

LEIA TAMBÉM

Pernambuco registra 1.492 novos casos e 30 óbitos pela Covid-19 nas últimas 24h

“A partir da próxima sexta-feira iremos proibir por 30 dias a utilização de som de qualquer natureza em bares, restaurantes e estabelecimentos similares, inclusive no comércio de praia porque isso tem contribuído para aglomerações. Qualquer tipo de som, seja paredões ou orquestras”, justificou o secretário de Saúde, André Longo em coletiva de imprensa realizada na tarde de quarta-feira (13).

LEIA MAIS

Visita a unidades prisionais de Pernambuco está liberada a partir de 8 de agosto

O secretário de Justiça e Direitos Humanos de Pernambuco, Pedro Eurico, participou de uma coletiva de imprensa realizada na manhã dessa quinta-feira (30), na capital Recife, para anunciar a retomada das visitas presenciais às unidades prisionais a partir do dia 8 de agosto.

“A reabertura vai se dar a partir do dia 8 de agosto, ou seja, daqui a uma semana. As famílias já vão poder comemorar com seus familiares o Dia dos Pais visitando os presos. As pessoas têm que entender que as limitações são fundamentais para garantir e preservar a vida, evitando a contaminação“, destacou o secretário.

Crianças, grávidas e idosos estão impedidos

Apenas uma pessoa está autorizada a visitar o preso e somente a cada 15 dias, aos sábados e domingos, apenas por duas horas. Crianças, mulheres grávidas e idosos com mais de 60 anos estão proibidos devido ao risco de contaminação. As visitas íntimas estão vetadas.

Só poderão visitar os presos com máscara, serão testados do ponto de vista da temperatura na entrada da unidade. A entrega de alimentos serão colocados para ser objeto da investigação que já é feita e de sanitização”, explica.

Eurico frisou que, caso os procedimentos não sejam seguidos à risca, a Secretaria proibirá as visitas. “Nós vamos fazer isso de uma forma responsável e vamos observar semanalmente o andamento do comportamento nessa questão”, finaliza.

Secretário chama ministra Damares Alves de palhaça na Rádio Jornal Petrolina

O Secretário de Justiça e Direitos Humanos de Pernambuco, Pedro Eurico, não poupou críticas contundentes à ministra da Mulher, da Família, dos Direitos Humanos, Damares Alves, que afirmou durante a reunião ministerial do dia 22 de abril do governo Jair Bolsonaro (sem partido), que vai “pegar pesado” contra prefeitos e governadores que tomaram medidas mais rígidas de isolamento contra o coronavírus.

“A pandemia vai passar, mas governadores e prefeitos responderão processos e nós vamos pedir inclusive a prisão de governadores e prefeitos. E nós tamo subindo o tom e discursos tão chegando. Nosso ministério vai começar a pegar pesado com governadores e prefeitos”, disse.

Para Pedro Eurico, a ministra não tem a menor condição emocional de se expor em público, por que no final ela diz muita bobagem.

“Eu até atribuo esse palavrório, simplório inclusive, sem nenhum respeito as autoridades, do mesmo nível dela, pois governadores também foram democraticamente eleitos, prefeito também foram democraticamente eleitos, quem autorizou prefeitos e governadores a praticarem isolamento social foi o Supremo Tribunal Federal, em uma democracia a palavra final é do Poder Judiciário, a palavra final é do Supremo Tribunal Federal”, afirmou o secretário em entrevista ao radialista Waldiney Passos, no programa Super Manhã da Rádio Jornal Petrolina.

“A ministra Damares Alves, ela diz muita bobagem, na realidade ela devia ter mais cuidado com a palavra dela, às vezes ela parece uma figura circense, parece que ela está no meio de um palco de circo e quem muitas vezes está no palco de circo, muitas vezes é o adestrador de animal ou é o palhaço”, complementou.

Por fim, Eurico lamentou a postura de Danares afirmando que ela dirige uma pasta essencial ao país, a pasta que cuida das minorias, das crianças, da juventude, das mulheres e dos direitos humanos.

“Quem tem o universo de responsabilidade desse não pode está dizendo bobagem a torto e a direito”, concluiu.

Ouça o áudio da entrevista:

Ministério Público investiga secretário de Justiça e Direitos Humanos de Pernambuco

O pedido de investigações foi encaminhado pela Comissão de Cidadania e Direitos Humanos da Assembleia Legislativa (Foto: internet)

O secretário de Justiça e Direitos Humanos de Pernambuco, Pedro Eurico, está sendo investigado pelo Ministério Público. O inquérito civil por suspeita de improbidade administrativa foi aberto dez meses após Eurico declarar publicamente que fala com detentos por celular. As afirmações polêmicas (e estarrecedoras) foram dadas durante audiência pública na Assembleia Legislativa do Estado.

“Eu cometo hoje um ato irregular. Eu dei meu celular em todas as cadeias. Eu não queria dar meu celular. Por que? Porque eu estou admitindo que presos usem o celular. Mas eu vou ser cínico? Eu vou mentir? O celular existe e está lá. E eu dei o meu celular e disse: liguem a cobrar. Quem sofrer tortura, quem sofrer vilipêndio, quem tiver informação para dar. E eles ligam”, declarou Pedro Eurico, à época.

LEIA MAIS