UFPE: justiça dá 24 horas para estudantes deixarem reitoria

ufpe-estudantes

Mandado de reintegração de posse chegou no início da noite de ontem. Hoje está prevista uma reunião com o reitor

Os estudantes que ocupam a reitoria da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) tem 24 horas para desocupar o lugar. Às 19h de ontem um oficial de Justiça entregou o mandado de reintegração de posse expedido pelo juiz da 3 Vara. Eles ocupam o prédio desde a última segunda-feira porque são contra a aprovação do Conselho Universitário, que aderiu o Hospital das Clínicas (HC) à Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (Ebserh), na última segunda-feira. Para hoje, está agendada uma reunião com o reitor da universidade, Anísio Brasileiro, prevista para as 17h, em local ainda a ser debatido entre o grupo e representantes da unidade acadêmica, segundo informações repassadas pela página oficial do grupo no Facebook – Ocupe Reitoria UFPE. Por meio de nota, o Sindicato dos Médicos de Pernambuco (Simepe) e o Conselho Regional de Medicina de Pernambuco (Cremepe) apoiaram a ação dos estudantes e se demonstraram contra a adesão.

De acordo com a nota oficial da Ocupação da Reitoria da UFPE, a ocupação se dá pela forma autoritária como a votação foi dada, sem aferição da votação nem, tampouco, quórum representativo para a sua realização. “Não reconhecemos tal resultado e por isso tomamos por iniciativa questionar de forma direta a autoridade da reitoria”, dizia o documento veiculado na rede social. Apesar da ocupação, o grupo garantiu que os funcionários administrativos do prédio realizassem suas atividades, sendo a única sala sem acesso a do reitor.

Entidades médicas parecem partilhar da mesma opinião dos estudantes. O Simepe e o Cremepe repudiaram a adesão do HC à Ebserh. De acordo com o documento enviado pelas entidades, ambas defendem um maior financiamento de forma direta para as necessidades de manutenção da unidade hospitalar e a remuneração dos servidores, garantindo a autonomia da UFPE para gerenciar o hospital. “A realidade vem à tona e mostra que o verdadeiro culpado pelo descaso e abandono do Hospital das Clínicas é o governo federal, que não investe em políticas públicas de saúde para estruturar as redes hospitalares”, concluiu a nota.

A UFPE, através de uma nota pública, se defendeu alegando que a reunião do Conselho Universitário foi legítima e democrática, de onde a assinatura de adesão à Ebserh foi realizada após aprovação com 44 dos votos, cerca de 83% do total. O documento também afirmava que os conselheiros favoráveis à empresa prestaram apoio à UFPE.

A negociação entre os estudantes e a pró-reitoria acadêmica da UFPE, para a desocupação das salas, se estendeu até às 13h30. A pró-reitora, Ana Cabral, disse que a entidade está aberta para dialogar e esclarecer possíveis dúvidas quanto às intervenções da Ebserh no HC. “O ideal é que esse diálogo seja feito num espaço neutro dentro da universidade”, disse.

Ana Cabral também garantiu que a chegada da Ebserh só irá trazer benefícios. “Essa empresa é ligada ao Ministério da Educação. O objetivo maior é o melhoramento da infraestrutura e a contratação de mais profissionais da área de saúde”, afirmou.

Com informações da Folha de Pernambuco.

Deixe uma resposta