“Fake news” sobre investigações do Caso Beatriz incomodam, afirmam Lucinha e Sandro

(Foto: Arquivo)

As investigações do Caso Beatriz mostraram avanços na semana passada, quando veio à tona a informação de que um mandado de prisão preventiva havia sido expedido contra um ex-prestador de serviço do Colégio Auxiliadora. A negativa da Justiça de Petrolina provocou reações, mas para os pais de Beatriz Angélica Mota, outras atitudes também incomodam.

LEIA TAMBÉM:

“Uma série de erros foram cometidos”, afirma Lucinha Mota sobre investigações do Caso Beatriz

Caso Beatriz: “Eles planejaram com antecedência”, afirma Lucinha Mota

Caso Beatriz: colégio nega que acusado de apagar imagens tenha sido funcionário da instituição

Polícia Civil nega afastamento de Polyanna Neri do Caso Beatriz

Desde o início das investigações notícias falsas – as chamadas “fake news” – têm surgido e para Sandro Romilton, pai da garota, isso só gera falsa expectativa nos familiares. 

“Isso [divulgar a informação de que prenderam algum suspeito] não foi a primeira vez. Quantas vezes falaram que prenderam alguém em Lagoa Grande, lá no interior da Paraíba e a gente fica só na expectativa”, disse Sandro ao Blog Waldiney Passos.

LEIA MAIS

“Uma série de erros foram cometidos”, afirma Lucinha Mota sobre investigações do Caso Beatriz

Na opinião dos pais de Beatriz Angélica Mota, as constantes trocas de delegados no caso atrapalharam as investigações que completarão três anos em dezembro. Desde o crime em 2015, a apuração dos fatos passou pelas mãos de Sara Machado, Marceone Ferreira, Gleide Ângelo e Polyanna Neri, atual responsável pelos trabalhos.

Para Lucinha Mota, mão da menina morta com 42 facadas dentro do Colégio Auxiliadora, as trocas somadas às falhas primárias foram cruciais para demora na elucidação.

LEIA TAMBÉM:

Caso Beatriz Mota: Alisson Henrique pede direito de resposta e nega ter apagado imagens do Colégio Maria Auxiladora

Caso Beatriz: “Eles planejaram com antecedência”, afirma Lucinha Mota

Pais de Beatriz Angélica cobram Judiciário após negativa do pedido de prisão preventiva a funcionário do colégio

“Desde a hora do fato aconteceu, uma série de erros foram cometidos, erros primários, talvez se um delegado assumisse hoje uma delegacia e se deparasse com a situação ele iria ter mais cuidado em lacrar e fechar o local do crime, isso é uma formalidade da polícia”, disse ao Blog.

LEIA MAIS

Polícia Civil nega afastamento de Polyanna Neri do Caso Beatriz

Delegada Polyanna Neri. (Foto: Blog Waldiney Passos)

A Assessoria de Comunicação da Polícia Civil de Pernambuco negou que a delegada responsável pelo Caso Beatriz, Pollyana Neri, tenha sido afastada das investigações. Boatos circularam nas redes sociais nessa segunda-feira (23), indicando sua saída do caso.

Em resposta ao Blog Waldiney Passos, a PC de Recife reafirmou a posição da delegada a frente das investigações. Questionados sobre uma possível busca e apreensão na manhã de hoje, realizada na casa de um suspeito, a Polícia Civil disse não poder revelar informações de casos ainda em andamento.

Pollyana Neri assumiu o Caso Beatriz em novembro de 2017. Beatriz Angélica Mota foi morta dentro do Colégio Nossa Senhora Auxiliadora, em Petrolina, em 10 de dezembro de 2015, durante uma festa. Até hoje o caso continua sem solução, apesar da repercussão nacional.

“Foi uma investigação profunda para chegar até o assassino de Alisson”, disse delegada Polyanna Neri durante entrevista coletiva

Delegada Polyanna Neri. (Foto: Blog Waldiney Passos)

A delegada Polyanna Neri, da polícia civil de Petrolina (PE) recebeu a imprensa na manhã desta quarta-feira (30) para falar sobre a prisão do assassino do jovem Alisson Dantas Nunes, 18 anos, morto a golpes de facão em 2015 por utilizar a rede Wifi da casa de um vizinho. Rezielio Alves de Almeida, de 52 anos, acusado do crime foi preso ontem (29) na cidade de Ponta Grossa, estado do Paraná.

Para a delegada, além do trabalho minucioso de investigação de sua equipe que rastreou os passos do acusado, o comportamento da mãe da vítima durante as investidas dos policiais, colaborou muito para a chegada até Rezielio Alves de Almeida.

“A família da própria vítima ajudou muito. A mãe confiou no trabalho da gente, ela confiou na nossa equipe e se manteve em silêncio porque sabia que a gente ia conseguir chegar”, afirmou a delegada.

LEIA MAIS