Em nota, prefeito de Orocó afirma que professores do município já recebem piso salarial atual

(Foto: Reprodução/WhatsApp)

Os professores da rede municipal de ensino de Orocó (PE) continuam em greve. As atividades foram paralisadas no último dia 10, e desde então, a categoria e a prefeitura não chegaram a um acordo. Os professores cobram a reversão da medida tomada pela gestão municipal, que resultou no rebaixamento total dos salários dos servidores oriundos do último concurso público, além do reajuste das tabelas de vencimentos para este ano.

LEIA TAMBÉM

Escolas municipais de Orocó seguem sem aulas e professores fazem manifestação pelas ruas da cidade

Em nota, o prefeito de Orocó, George Gueber, afirmou que os professores já recebem o piso salarial atual.“[…] Convém informar a todos, que na data de hoje os professores de Orocó já recebem desde o ano passado, o atual piso salarial. Estando o município rigorosamente em dia com os salários desses profissionais”, destacou o gestor municipal.

Para justificar o salário dos professores, George Gueber explica as dificuldades enfrentadas a partir do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica disponibilizado para o município pelo governo federal. “[…] A receita do Fundeb prevista para 2020, segundo informações do site www.cnn.org.br do município de Orocó é 12. 4378,77 milhões, representando um valor, a menor da ordem de R$ 970.532,91  com relação a 2019, isso significa que para esse ano o município teria que abortar do FPM cerca de R$ 2,1 milhões, ou seja menos recursos para atender as necessidades da população”, completou

Na semana passada, os professores de Orocó foram às ruas protestar. De acordo com o Sindicato dos Trabalhadores em Educação de Orocó (SINTEO), a greve continuará, até que o município atenda as demandas dos professores municipais.

Confira a íntegra da nota do prefeito 

“Primeiro, o Fundeb (Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica) e valorização dos profissionais da educação, como o próprio nome já diz, destina-se à manutenção e desenvolvimento da educação, e não apenas para remuneração dos professores.

Segundo, ano passado, para fazer frente às despesas com o pessoal da educação o município abortou do FPM cerca de R$ 1,2 milhão, significando menos recursos para atendimento da população nas áreas da saúde, limpeza pública, recuperação de estradas e tantas outras demandas.

Terceiro, a receita do Fundeb prevista para 2020, segundo informações do site www.cnn.org.br do município de Orocó é 12. 4378,77 milhões, representando um valor, a menor da ordem de R$ 970.532,91  com relação a 2019, isso significa que para esse ano o município teria que abortar do FPM cerca de R$ 2,1 milhões, ou seja menos recursos para atender as necessidades da população.

Quarto, há bem da verdade, convém informar a todos, que na data de hoje os professores de Orocó já recebem desde o ano passado, o atual piso salarial. Estando o município rigorosamente em dia com os salários desses profissionais.

E quinto, o prefeito tem obrigação em defender a população, fazer gestão com responsabilidade, aguardar que o congresso nacional defina o novo Fundeb e manter como sempre manteve, disposição para o diálogo, buscando uma educação de qualidade, e sobretudo, que se respeite os alunos e familiares.”

George Gueber Cavalcanti Nery

Deixe uma resposta