“Em Petrolina a medida protetiva não é só um papel”, destaca coordenador da Patrulha da Mulher

Coordenador destacou trabalho do efetivo (Foto: Jean Brito/Ascom CMP)

Os integrantes da Patrulha da Mulher de Petrolina marcaram presença na Câmara de Vereadores na sessão de quinta-feira (28). Através do seu coordenador, Jenivaldo Santos, o Jota Santos, a instituição destacou as ações dos 12 agentes que estão a frente do projeto.

Em seu discurso, Jota Santos lembrou que a luta pela proteção das mulheres não se restringe ao gênero feminino e masculino. “Essa não é uma luta de gênero e muito menos de poderes e sim uma luta de toda sociedade. A Patrulha da Mulher foi um instrumento que nasceu nessa Casa numa contribuição marcante da vereadora Cristina Costa, como autora da lei e de cada um dos senhores vereadores“, explica.

Os trabalhos da Patrulha da Mulher tiveram início no segundo semestre, após a aprovação e sanção de uma lei proposta por Cristina Costa (PT). Os agentes passaram por uma capacitação, a fim de melhor atender as vítimas. “Essa missão estava além da nossa formação, que é o tratamento especial às mulheres humilhadas, feridas na alma, na sua dignidade e no seu corpo. Saímos da patrulha tradicional para entrarmos nas vidas dessas pessoas. Isso passou a fazer parte das nossas vidas diárias e das nossas emoções”, afirma Jota.

O trabalho funciona da seguinte forma: as quatro agentes femininas são responsáveis pelo atendimento, enquanto os homens dão apoio na retaguarda. “Aqui em Petrolina a medida protetiva não é só um papel, é uma medida cumprida e fiscalizada. Quem não cumprir, vai para cadeia. Depois que a Patrulha da Mulher foi criada, o 5º BPM retomou a Ronda Maria da Penha”, disse o coordenador.

Mesmo com um efetivo pequeno, Jota saudou seus colegas da Patrulha. “Eles estão realizando o trabalho com todo o comprometimento. Necessitamos de mais apoio da nossa própria corporação e uma valorização maior desses homens e mulheres”, conclui.

A Patrulha da Mulher pode ser acionada pelo número 153. O grupo ainda recebeu uma Moção de Aplauso da Câmara de Petrolina, proposta por Cristina Costa.

Deixe uma resposta