Fernando Filho reforça desconforto no PSB e admite desejo de ser candidato a governador de PE

Fernando Filho é considerado a maior aposta do grupo dos Coelhos para a disputa de 2018, embora sua pretensão inicial seja a reeleição. (Foto: Arquivo)

Em entrevista à Rádio Folha nesta sexta-feira (18), o ministro das Minas e Energia, Fernando Filho (PSB) reforçou o desconforto no Partido Socialista Brasileiro, confirmou a candidatura à reeleição e o desejo em governar Pernambuco.

“Sou muito feliz com meu mandato e, a princípio, sou candidato à reeleição. Não posso ser candidato nem a senador nem a presidente, porque só terei 34 anos na eleição (é preciso 35). Só posso ser candidato a deputado federal e a governador. Quem tá na vida, tem ambições, quem é vereador quer ser prefeito. O deputado estadual quer ser federal. O federal quer ser governador, o governador quer ser presidente, o gerente que ser diretor e por aí vai”, revelou durante entrevista.

Sobre a relação com o PSB, Fernando Filho, mostrou que a relação dentro do partido está esgarçada, a ponto de não lembrar quando teve um encontro de trabalho com o governador Paulo Câmara.

“Faz tempo que não tenho conversado com ele. Recentemente nos encontramos no casamento do prefeito de Petrolina. (Encontro de trabalho) Já tem algum tempo. Estou tentando lembrar aqui, mas não consigo lembrar. Mas eu estou à disposição do governador e da administração para dar a contribuição”, afirmou.

O senador Fernando Bezerra Coelho, recentemente percorreu o Sertão e esteve em contato com aliados do seu grupo e afirmou o desconforto que existe no PSB. O desconforto que teve como principal motor a votação da reforma trabalhista, quando Fernando Filho retornou ao Legislativo para votar à favor da proposta governista, contrariando a orientação da direção partidária que era contra a proposta.

“O que gerou mais desconforto agora foi a forma e a reação em cima desses parlamentares. Na questão estadual se ressaltou alguns pontos aí, nós nunca estivemos representados no Governo do Estado, mas isso não é o mais relevante. A gente sempre buscou ajudar o Governo. Mas é vida que segue”, ponderou.

A atitude levou o ministro, 15 deputados federais e dois senadores ao centro de um pedido de expulsão no Conselho de Ética do PSB. A ofensiva da direção nacional e os desgastes no Estado criaram um ambiente cada vez mais insustentável para o grupo dos Coelhos, que passou a adotar um discurso mais independente.

Fernando Filho é considerado a maior aposta do grupo dos Coelhos para a disputa de 2018, embora sua pretensão inicial seja a reeleição.

Com informações do FolhaPE

Deixe uma resposta