Oops! It appears that you have disabled your Javascript. In order for you to see this page as it is meant to appear, we ask that you please re-enable your Javascript!

Manuela D’Ávila afirma que é necessário combater desigualdade regional para tornar Vale do São Francisco mais competitivo

(Foto: Blog Waldiney Passos)

A passagem da pré-candidata à Presidência da República, Manuela D’Ávila (PC do B) no final de semana foi breve, mas ela fez questão de destacar a importância da preservação do Rio São Francisco. Durante a coletiva de imprensa realizada na manhã do domingo (10), Manuela também falou da divisão entre esquerda e direita no Brasil.

LEIA TAMBÉM:

Em Petrolina, Manuela D’Ávila reafirma pré-candidatura à Presidência da República

“Tem dois lugares no Brasil que fizeram eu ter a certeza absoluta que Deus existe, um deles foi a margem do Rio São Francisco. Nosso compromisso com o rio é com todo o Nordeste, nós conversávamos, eu e os meus deputados da Bahia, sobre o impacto da fruticultura nessa região e sobre a possibilidade do Brasil produzir mais produtos do que produz. Embora essa região seja a que mais produz frutas no Brasil, nós produzimos menos do que o Chile. Do ponto de vista do que isso representa a competitividade global, as possibilidades que teríamos se tivéssemos políticas de desenvolvimento que combatessem a desigualdade regional“, afirmou.

Unificação do país

Questionada a respeito da segregação entre esquerda e direita, a pré-candidata afirmou que é necessário haver uma união, mas que o mais importante é montar um projeto nacional.

“É impossível governar para todos, nós defendemos um projeto nacional de desenvolvimento e que ele seja sustentado pela maior parte do povo baseado na ideia de que é possível desenvolver o Brasil valorizando o trabalho e isso exigirá que nós enfrentemos determinados interesses”, disse apontando os bancos e a indústria como principais afetados com essa necessidade de mudança.

Outro tema presente na coletiva foi a participação da mulher na política e a desigualdade no mercado de trabalho, o que para ela é um dos principais responsáveis pelo não crescimento do Brasil.

Deixe uma resposta