Potós: confira as orientações do CCZ de Petrolina

Como se prevenir e evitar queimaduras

No começo do mês foram as abelhas. Agora, a bola da vez em Petrolina são os potós. O pequeno inseto tem tirado o sossego de muitos moradores. Justamente por isso o Blog Waldiney Passos preparou uma matéria com o objetivo de tirar dúvidas acerca desse bichinho.

Em primeiro lugar, o potó sempre existiu. “Nesse ano a gente percebeu maior porque o período foi mais abrangente. A gente tem recebido muitas ligações das pessoas buscando informações. Ele provoca uma queimadura, muitas vezes pode acontecer dessa queimadura ser de segundo grau. [No geral] não causa um dano tão grande”, explica a coordenadora do Centro de Controle de Zoonoses (CCZ) de Petrolina, Graziella Vasconcellos durante entrevista no programa Repercutindo com Daniel Campos, na Rádio Jornal Petrolina.

Assim como na questão das abelhas, a maior presença dos potós se dá por resultado da ação humana. “A gente sabe que o processo de urbanização favorece tudo isso. Cada vez mais a gente está chegando aos locais onde estão os animais“, pontua.

Cuidados

A principal recomendação é não matar ou coçar a pele quando o potó estiver nela. Busque remover o inseto e assim evitar as queimaduras. “Ele não é um animal que injeta nada na pele. Isso acontece porque, ao caminhar sobre a pele, a gente pode coçar e esmagar o animal. Ou mesmo na movimentação, a queimadura ocorre dessa forma“, orienta a coordenadora.

Outras atitudes preventivas são evitar dormir com a luz acessa durante a noite, já que o potó é atraído pela iluminação. Dedetize o local e faça a limpeza cotidiana da sua residência. E se mesmo com todos os cuidados você for queimado pelo inseto?

“A indicação para as pessoas que sejam surpreendidas com o ataque do potó, é que o local seja lavado com água corrente e sabão e procurar um serviço de saúde, caso necessite“, afirma a Secretaria de Saúde do município.

Deixe uma resposta