Segundo delegado, executor aguardou por oito horas antes de tentar matar secretário José Carlos

Executor planejou rota de fuga, segundo delegado Gregório Ribeiro (esq.) (Foto: Blog Waldiney Passos)

Um crime que mistura profissionalismo com amadorismo. É assim que a Polícia Civil de Pernambuco classifica a tentativa de homicídio sofrida pelo secretário-executivo da Autarquia Municipal de Mobilidade de Petrolina (AMMPLA), José Carlos Alves, na quarta-feira passada, dia 11/12.

Desde as primeiras horas de hoje (18) equipes da 214ª Delegacia de Polícia Civil em Petrolina, com apoio da DESEC e DINTER 2 estão cumprindo mandados de busca e apreensão em residências utilizadas por Wellington Pereira dos Santos, de 27 anos, apontado como executor, na Operação Vestígios.

LEIA TAMBÉM:

Suspeito de atirar contra secretário de Petrolina é identificado e está foragido

Polícia Civil deflagra Operação Vestígios para elucidar atentado contra secretário da AMMPLA

Prefeito Miguel fala em ameaças por mudança no transporte público e sobre estado de saúde de José Carlos

Execução e fuga planejadas

Segundo o delegado responsável pelas investigações, Gregório Ribeiro, Wellington ficou cerca de oito horas na frente da residência, escondido aguardando o momento certo para executar o secretário. A fuga foi a pé, por 3km – passando inclusive pela frente do Batalhão da Polícia Militar, onde também funciona a DINTER 2.

“Ele chega à residência da vítima 22h da noite anterior. No momento da execução foi utilizado um supressor, um silenciador. Um minuto antes dele executar uma guarnição passa na frente dele e ele aguarda”, destacou o delegado responsável pela investigação.

Após atentar contar José Carlos, Wellington se desfez da balaclava (touca ninja) e a camisa utilizada na execução. Ele continuou a pé, vestindo uma outra camisa e boné. Todos os objetos foram recuperados em residências nas quais a PC fez as buscas.

Disque denúncia

Wellington já tem passagens pela polícia e cumpriu pena na Penitenciária Dr. Edvaldo Gomes por tráfico de drogas e porte ilegal de armas. Ele está foragido desde o dia do crime e as equipes pedem ajuda para localizar o executor. “Nesse momento ele é foragido, temos um mandado de prisão em aberto e contamos com a ajuda a população para encontrá-lo”, destacou Gregório.

Pelas informações levantadas durante as investigações, Wellington residiu em três bairros, nos quais a polícia fez buscas: Terras do Sul, São Joaquim e José e Maria. As denúncias podem ser feitas através do número (87) 98803-4513, o sigilo é garantido.

Deixe uma resposta