Teich diz que escolheu sair, mas não explica o motivo

Ex-Ministro da Saúde, Nelson Teich.

Um dia antes de completar um mês no cargo e em meio à explosão de casos e mortes pela epidemia do coronavírus no país, o ex-ministro da Saúde Nelson Teich afirmou nesta sexta-feira (15), em pronunciamento no Ministério da Saúde, que “escolheu” deixar a pasta. Ele fez a afirmação durante um rápido pronunciamento no auditório do ministério ao lado do secretário-executivo, general Eduardo Pazuello, e de técnicos da pasta. O ex-ministro não explicou o motivo que o levou a tomar a decisão.

“A vida é feita de escolhas. E hoje eu escolhi sair”, afirmou o ex-ministro.

Ele disse que não aceitou o convite pelo cargo. “Eu aceitei que achava que poderia ajudar o Brasil e ajudar as pessoas”, afirmou.

LEIA MAIS

Ministro da Saúde demite 13 funcionários; inclusive de áreas estratégicas

Ministro da Saúde, Nelson Teich. (Foto: REUTERS/Adriano Machado)

O ministro da Saúde, Nelson Teich, exonerou 13 servidores da pasta nesta quinta-feira (7). As trocas já estavam previstas desde a saída de Luiz Henrique Mandetta (DEM) do cargo de ministro, em 16 de abril, e algumas mudanças foram feitas a pedido dos servidores.

A nova gestão tem loteado cargos estratégicos com militares e promete também espaços a partidos do Centrão, como PL e PP. Para gestores do SUS, Teich parece “tutelado” pelo Palácio do Planalto e pela ala militar do governo.

LEIA MAIS

Moro nega ter negociado cargo no Supremo com Bolsonaro

(Foto: Reuters)

Poucas horas após anunciar sua demissão, o ex-ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, foi ao Twitter para negar uma acusação feita por Jair Bolsonaro. Em pronunciamento oficial, o presidente afirmou que ex-magistrado havia condicionado a demissão de Maurício Valeixo da Polícia Federal com uma indicação para o Supremo Tribunal Federal.

“O senhor pode tirar o Valeixo, sim, mas em novembro, depois que me indicar para o Supremo Tribunal Federal”, teria dito Moro, segundo Bolsonaro. O ex-magistrado, no entanto, negou que a conversa tenha acontecido. “A permanência do Diretor Geral da PF, Maurício Valeixo, nunca foi utilizada como moeda de troca para minha nomeação para o STF. Aliás, se fosse esse o meu objetivo, teria concordado ontem com a substituição do Diretor Geral da PF”, escreveu.

O então ministro da Justiça e Segurança Pública entregou o cargo após a demissão do diretor-geral da Polícia Federal, Maurício Valeixo. A exoneração de Valeixo, que era homem de confiança de Moro, foi uma decisão de Bolsonaro e aconteceu sem o consentimento do agora ex-ministro. Ele foi pego de surpresa com a publicação da decisão no Diário Oficial nesta sexta-feira e disse que não assinou a exoneração.

Moro elogiou Valeixo, disse que só assumiu o cargo no Ministério porque Bolsonaro havia prometido carta branca e que interferências na PF não aconteceram nem durante a Lava-Jato. “Ontem veio a insistência do presidente [para trocar o comando da PF]. Eu disse que seria interferência política e ele [Bolsonaro] disse que sim”.

Após demissão de Moro, Bolsonaro fará declaração às 17h

(Foto: Internet)

O presidente Jair Bolsonaro anunciou uma coletiva para as 17 horas desta sexta-feira (24) para comentar o pedido de demissão de Sergio Moro, posteriormente o Palácio do Planalto anunciou um pronunciamento do presidente e não uma coletiva.

“Hoje às 17h, em coletiva, restabelecerei a verdade sobre a demissão a pedido do Sr. Valeixo, bem como do Sr. Sérgio Moro”, escreveu no Twitter.

O ministro da Justiça e Segurança Pública, considerado um dos pilares do governo, anunciou sua saída nesta manhã alegando interferência política na Polícia Federal com a demissão de Maurício Valeixo.

Bolsonaro usou a palavra “a pedido” em seu Twitter, indicando que seu argumento será o de que não foi dele a iniciativa para a demissão de Valeixo.

Governo Bolsonaro desmente pedido de demissão de Sérgio Moro

(Foto: Carolina Antunes/PR/Flickr)

Após a Folha de São Paulo publicar uma matéria confirmando que o Ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro, havia pedido demissão, o governo Bolsonaro desmentiu a informação.

Segundo a reportagem, Moro teria pedido para sair após ser avisado sobre a troca do diretor geral da Polícia Federal, cargo atualmente ocupado por Maurício Valeixo, feita pelo presidente da República.

LEIA MAIS

Mandetta é demitido por Bolsonaro e está fora do Ministério da Saúde

Ex-Ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta (Foto: Divulgação)

Em meio à pandemia do novo coronavírus, o presidente Jair Bolsonaro demitiu nesta quinta-feira (16) o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta. A informação foi divulgada pelo próprio ministro em uma rede social.

“Acabo de ouvir do presidente Jair Bolsonaro o aviso da minha demissão do Ministério da Saúde. Quero agradecer a oportunidade que me foi dada, de ser gerente do nosso SUS, de pôr de pé o projeto de melhoria da saúde dos brasileiros e de planejar o enfrentamento da pandemia do coronavírus, o grande desafio que o nosso sistema de saúde está por enfrentar”, escreveu Mandetta.

“Agradeço a toda a equipe que esteve comigo no MS e desejo êxito ao meu sucessor no cargo de ministro da Saúde. Rogo a Deus e a Nossa Senhora Aparecida que abençoem muito o nosso país”, prosseguiu.

Ex-deputado federal, Mandetta estava à frente da pasta desde o início do governo, em janeiro de 2019, e ganhou maior visibilidade com a crise provocada pelo novo coronavírus. Na tarde desta quinta, Mandetta foi chamado ao Planalto para uma última reunião com Jair Bolsonaro.

Nas últimas semanas, contudo, Bolsonaro e Mandetta tiveram divergências públicas em razão das estratégias para conter a velocidade do contágio da Covid-19, doença provocada pelo vírus.

(Com informações do G1)

Mandetta diz que deve deixar o cargo “hoje ou amanhã”

(foto: Minervino Júnior/CB/D.A Press)

O anúncio foi feito durante live nesta quinta-feira (16) com profissionais de saúde. Diante dos colegas de profissão, o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, afirmou que deve ser exonerado pelo presidente Jair Bolsonaro “hoje ou amanhã.

O embate entre ministro e presidente da República tornou-se público há alguns dias. Mandetta vem sendo criticado publicamente por Bolsonaro, que se incomoda com a popularidade e o entrosamento do seu subordinado com integrantes do Legislativo e do Judiciário.

A defesa do ministro em relação ao isolamento social e a quarentena da população também incomodam o chefe do Executivo. “Devemos ter uma situação de troca no ministério que deve se concretizar hoje ou amanhã”, disse o ministro.

O presidente se reuniu, nesta quinta-feira, com nomes de pessoas cotadas para o cargo. Um dos nomes que figuram entre os primeiros lugares da lista é do Oncologista Nelson Teich.3

Mandetta não aceita demissão de Secretário e diz que os dois vão sair juntos do governo Bolsonaro

Mandetta e Wanderson de Oliveira durante coletiva hoje a tarde. (Foto: TV Globo/Reprodução)

O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, afirmou na tarde desta quarta-feira (15) que ele e os secretários que o auxiliam entraram juntos no ministério e sairão juntos. Mandetta fez a afirmação durante entrevista coletiva ao lado do secretário-executivo do ministério, João Gabbardo, e do secretário de Vigilância em Saúde, Wanderson de Oliveira.

Mais cedo, nesta quarta, Wanderson de Oliveira pediu demissão em razão da provável saída de Mandetta do ministério devido às divergências com o presidente Jair Bolsonaro sobre o isolamento social como forma de conter a epidemia de coronavírus – Mandetta defende um isolamento amplo; Bolsonaro discorda e quer a retomada das atividades econômicas.

LEIA MAIS

Secretário de Vigilância em Saúde, “braço de direito” de Mandetta, pede demissão do Ministério da Saúde

Secretário de Vigilância em Saúde, Wanderson de Oliveira. (Foto: TV Globo/Reprodução)

Considerado um dos “braços direito” do Ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta, o Secretário de Vigilância em Saúde pediu demissão do cargo que ocupava no governo Bolsonaro, na manhã desta quarta-feira (15), em meio a crise da pandemia do novo coronavírus. A informação foi divulgada em nota oficial do ministério.

Wanderson Oliveira, assim como o ministro Mandetta, defende isolamento social para conter o coronavírus. A medida é criticada pelo presidente Jair Bolsonaro, que afirma que esta ação é prejudicial à economia, e vem sendo motivo de embate entre ele e o ministro Mandetta.

LEIA MAIS

Após dois empates consecutivos no Baianão, técnico da Juazeirense é demitido

Vladimir de Jesus (Foto: Carlos Humberto)

Fontes acabam de informar ao Blog Waldiney Passos que Vladimir de Jesus, técnico da Desportiva Juazeirense, foi demitido. A informação foi confirmada pelo time, em um comunicado divulgado nas redes sociais.

“Em reunião de avaliação, neste domingo (26), diretoria e treinador chegaram a uma conclusão que seria necessário implementar mudanças no comando técnico da equipe”, diz um trecho do informativo.

No Campeonato Baiano, o Cancão de Fogo tem na lista dois empates. O primeiro duelo foi contra o Bahia, a Juazeirense recebeu o time da capital em casa, mas mesmo com a força da torcida, não obteve o melhor placar, e o jogo terminou no 1×1.

LEIA MAIS

Governo Federal demitirá secretário da Cultura que parafraseou ministro nazista de Hitler

Roberto Alvim será demitido (Foto: Reprodução/Twitter)

A repercussão de uma fala divulgada na quinta-feira (16) custará o emprego do secretário especial da Cultura, Roberto Alvim. Ele fez um discurso semelhante ao do ministro da Propaganda da Alemanha Nazista, Joseph Goebbels.

Assim como Goebbels havia afirmado no século passado que a “arte alemã da próxima década será heroica” e “imperativa”, Alvim disse – em um vídeo divulgado nas redes sociais da pasta – que a “arte brasileira da próxima década será heroica” e “imperativa”. Na manhã de hoje ele usou as redes sociais para dizer que a frase foi coincidência, mas o Planalto já avisou que irá demiti-lo.

Segundo a Folha de São Paulo, membros do Governo Federal já teriam avisado aos líderes do Congresso sobre a demissão de Alvim. O ministro da Secretaria de Governo, Luiz Ramos chegou a telefonar aos líderes do Congresso antecipando a demissão, prevista para ser formalizada ainda hoje.

Sob ordens de Hitler, Goebbels convocou a população alemã a boicotar negócios judeus, incentivou e organizou a queima de livros considerados “não alemães”, num período marcado por mortes e consequentemente pelo Holocausto.

Exclusivo: funcionário desmente nota do HDM e relata demissão por justa causa após gravar vídeo mostrando estragos causados por chuva

Funcionário acionou a Justiça para buscar direitos (Foto: Blog Waldiney Passos)

No dia 6 de janeiro, Petrolina registrou uma forte chuva durante a noite. Um funcionário do Hospital Dom Malan/IMIP fez um vídeo para mostrar a situação da unidade, que registrou alagamentos em algumas áreas. Dois dias depois das imagens circularem em grupos de WhatsApp, ele e uma colega de trabalho foram demitidos por justa causa.

LEIA TAMBÉM

Dom Malan desmente boato e classifica de “informação equivocada” notícia sobre demissão de funcionários

Em conversa com o Blog Waldiney Passos, o funcionário – que será mantido em sigilo – desmentiu a nota encaminhada pela assessoria do hospital que alegava não ter havido corte de profissionais. “Minha demissão e de minha amiga foi no dia 8 de janeiro. Fomos informados que agimos com improbidade ao fazer o uso do celular dentro do hospital e por causa do vídeo fomos demitidos por justa causa“, relatou à nossa equipe.

Ele e sua colega eram terceirizados pela Solunni Serviços Especializados, prestadora de serviços no HDM cuja sede é no Recife. O conceito de improbidade é “falta de honradez, de integridade, de lisura”. Ou seja, a empresa entendeu que os profissionais erraram ao mostrar a realidade do hospital.

LEIA MAIS

Dom Malan desmente boato e classifica de “informação equivocada” notícia sobre demissão de funcionários

Unidade considerou notícia “inverídica” (Foto: Arquivo)

Um vídeo que mostra funcionários do Hospital Dom Malan/IMIP mostrando os estragos causados pelas chuvas dessa semana repercutiu nas redes sociais. Porém, a direção da unidade nega qualquer represália aos servidores e desmentiu a informação sobre demissões.

Procurado pelo Blog Waldiney Passos o o HDM respondeu em nota que “nenhum funcionário contratado em regime celetista pelo HDM foi demitido nos últimos dias. Desse modo, considera a informação equivocada”.

O vídeo em questão foi divulgado na noite de segunda-feira (6), quando uma forte chuva atingiu Petrolina e alagou alguns pontos da cidade. Funcionários apareciam usando rodos para puxar a água empoçada dentro da unidade médica.

Procuradores pedem desligamento do Grupo de Trabalho da Lava Jato em retaliação a Dodge

A procuradora não está entre as cotadas para o próximo mandato na PGR

Seis procuradores que integravam o Grupo de Trabalho da Operação Lava Jato pediram desligamento das atividades nesta quarta-feira (4).

Na nota, assinada em conjunto, os integrantes alegaram incompatibilidade com a postura da procuradora-Geral da República, Raquel Dodge, diante do Supremo Tribunal Federal (STF).

De acordo com O GLOBO, a insatisfação estaria diretamente ligada a uma manifestação de Dodge sobre a delação premiada do ex-presidente da OAS, Léo Pinheiro.

A representante do Ministério Público na Suprema Corte encaminhou pedido de homologação da delação do empresário.

Dodge pediu o arquivamento preliminar de trechos da delação que envolviam o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e o ex-prefeito de Marília (SP) José Ticiano Dias Toffoli, irmão do presidente do Supremo Tribunal Federal, José Antonio Dias Toffoli.

Ainda de acordo com a publicação, Maia e Toffoli defendiam a recondução da procuradora para mais um mandato no Supremo.

Os procuradores avisaram sobre o desligamento em mensagem enviada a grupos coletivos de trabalho das forças-tarefas da Lava-Jato em Curitiba e no Rio.

Segue nota na íntegra:

Prezados colegas,

Devido a uma grave incompatibilidade de entendimento dos membros desta equipe com a manifestação enviada pela PGR ao STF na data de ontem (03.09.2019), decidimos solicitar o nosso desligamento do GT Lava Jato e, no caso de Raquel Branquinho, da SFPO. Enviamos o pedido de desligamento da data de hoje.

Foi um grande prazer e orgulho servir à Instituição ao longo desse período, desempenhando as atividades que desempenhamos. Obrigada pela parceria de todos vocês.

Nosso compromisso será sempre com o Ministério Público e com a sociedade.

Raquel Branquinho
Maria Clara Noleto
Luana Vargas
Hebert Mesquita
Victor Riccely
Alessandro Oliveira

Prefeitura esclarece situação de servidora grávida desligada do quadro

Márcia Maria da Silva já procurou a prefeitura, mas até o momento nada foi resolvido. (Foto: Márcia Maria)

Márcia Maria da Silva Novaes procurou o Blog Waldiney Passos para denunciar um embate com a prefeitura de Petrolina (PE), após a mesma alegar ter sido demitida mesmo estando grávida, o que ocasionou a perda de seus direitos. A denunciante trabalhava como merendeira na CEMEI Bebedouro I, em Petrolina, desde a gestão anterior. Segundo ela, nos últimos anos a participação em seleções simplificadas garantiu sua permanência no cargo.

O contrato de Márcia e demais funcionárias encerrou no dia 30 de março deste ano, e ela não fez a última seleção realizada pela Secretaria de Educação Municipal. “Eu estava grávida e me afastei do trabalho. Eu tive bebê prematuro e no que eu tive, quando a gente vai dar entrada no salário maternidade, a gente não consegue por que estava trabalhando. Eu tive que protocolar e dá entrada no processo da prefeitura para eles me readmitirem pra eu pode ter esse benefício do meu auxílio maternidade, mas desde que eu recorri eles não dão resposta nenhuma.”

No dia 29 de maio, Márcia deu entrada no protocolo, e desde então a resposta que é dada pelos funcionários é que o processo “está na mão do Procurador”. “Eu não posso recorrer na Justiça, só posso recorrer depois que o Procurador der uma resposta. A única coisa que e consegui até agora foi uma agenda com um carimbo de que ele recebeu meu processo”, completou Márcia, ressaltando as dificuldades enfrentadas.

LEIA MAIS
1234