Funcionários terceirizados do IF-Sertão são demitidos e cobram pagamento de direitos trabalhistas por parte de empresa

A saga dos funcionários terceirizados do IF-Sertão, em Petrolina, ganhou mais um capítulo. Um grupo de 16 trabalhadores foi demitido no início do ano e ainda não recebeu os direitos trabalhistas. Sem um posicionamento da empresa KMS, prestadora de serviço ao Instituto, eles cobram respostas.

LEIA TAMBÉM

Funcionários terceirizados voltam a relatar atrasos por parte da empresa contratada pelo IF-Sertão

Petrolina: empresa justifica atraso de salários de terceirizados e responsabiliza IF-Sertão

Terceirizados do IF-Sertão estão com salários atrasados e cobram resposta de empresa

“Fomos demitidos, 16 funcionários e estamos com mais de 45 dias sem receber o valor do aviso prévio, nem vale-alimentação e vale-transporte de março, incluindo as rescisões e ninguém fala nada. Eles não pagam e não falam nada. A gente não sabe o que faz“, contou à nossa equipe.

LEIA MAIS

Fernando Azevedo e Silva pede demissão da Defesa, General Braga Netto deve assumir o ministério

O ministro da Defesa, Fernando Azevedo e Silva, pediu demissão do cargo nesta segunda-feira (29). Desta forma, é a segunda baixa da equipe ministerial do governo Bolsonaro em menos de 24h. Pela manhã, Ernesto Araújo já havia pedido desligamento das Relações Exteriores.

Indicado pelo ministro Dias Toffoli, do STF (Supremo Tribunal Federal) para o cargo, Azevedo e Silva nunca teve afinidade total com a política desejada pelo Planalto.

Leia abaixo a nota oficial entregue por Azevedo ao presidente Jair Bolsonaro (sem partido):

Agradeço ao Presidente da República, a quem dediquei total lealdade ao longo desses mais de dois anos, a oportunidade de ter servido ao País, como Ministro de Estado da Defesa.

Nesse período, preservei as Forças Armadas como instituições de Estado.

O meu reconhecimento e gratidão aos Comandantes da Marinha, do Exército e da Aeronáutica, e suas respectivas forças, que nunca mediram esforços para atender às necessidades e emergências da população brasileira.

Saio na certeza da missão cumprida.

Fernando Azevedo e Silva

General Braga Netto deve ir para a Defesa e Ramos para a Casa Civil

O ministro da Casa Civil, general Walter Souza Braga Netto, deve ser o novo titular do Ministério da Defesa. O presidente Jair Bolsonaro já há algum tempo pensava em substituir o general Fernando Azevedo e Silva na pasta.

A troca no Ministério da Defesa foi anunciada no começo da tarde desta 2ª feira. Ele saiu horas depois de o ministro de Relações Exteriores, Ernesto Araújo, pedir demissão, depois de ser alvo de pressão de congressistas, inclusive de apoiadores do governo.

Para a Casa Civil, iria o general Luiz Eduardo Ramos, hoje chefe da Secretaria de Governo e responsável pela articulação política do Planalto com o Congresso.

Agora, Bolsonaro busca um nome político para o lugar de Ramos e assim tentar melhorar a relação com o Poder Legislativo

Presidente do IBGE pede demissão

(Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil)

A presidente do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), Susana Cordeiro Guerra, pediu exoneração do cargo. A informação foi divulgada pela assessoria de imprensa do instituto na tarde desta sexta-feira (26).

Segundo a nota divulgada pelo IBGE, o pedido de exoneração de Susana é motivado por questões pessoais e de família.

A economista deve continuar no cargo até que um novo presidente, a ser indicado, tome posse. Susana Cordeiro Guerra assumiu a presidência do IBGE em fevereiro de 2019.

Depois de mais uma derrota por 4 gols no placar do adversário, técnico do Flamengo é demitido

Domènec Torrent, ex-técnico do Flamengo.

Depois das duas goleadas consecutivas sofridas no Campeonato Brasileiro – 4 a 1 para o São Paulo e 4 a 0 para o Atlético-MG -, o Flamengo tomou a decisão nesta segunda-feira (9) de demitir o técnico Domènec Torrent. Mauricio Souza, da equipe sub-20, comanda a equipe interinamente.

A decisão foi tomada no dia seguinte à mais uma goleada sofrida no Brasileirão. No Mineirão, o Flamengo tinha a possibilidade de assumir a liderança isolada do campeonato, mas sofreu dois gols em sete minutos de jogo e perdeu por 4 a 0 para o Atlético-MG, gols de Gustavo Henrique (contra), Keno, Sasha e Zaracho.

Dome foi anunciado pelo Flamengo no fim de julho como substituto de Jorge Jesus, que deixou o clube rumo ao Benfica. De lá para cá, foram 26 jogos, com 15 vitórias, cinco empates e seis derrotas – aproveitamento de 63,8%. Sob comando do ex-auxiliar de Guardiola, os rubro-negros fizeram 42 gols e sofreram 36.

O Flamengo é o atual terceiro colocado do Brasileirão, com 35 pontos – tem a mesma pontuação do Atlético-MG e um a menos que o líder Internacional. A equipe está nas quartas de final da Copa do Brasil (vai enfrentar o São Paulo) e nas oitavas de final da Libertadores (onde pega o Racing).

(Com informações do GE)

TV São Francisco divulga nota sobre novas demissões

No começo da semana o Blog noticiou mais demissões na TV São Francisco, braço da TV Bahia na região Norte do Estado. Funcionários de diversos setores foram demitidos, entre eles pessoas próximas da aposentadoria após anos na casa.

LEIA TAMBÉM

Juazeiro: TV São Francisco volta a demitir grande número de funcionários

A Gerência Executiva da TV São Francisco enviou uma nota ao Blog, dando sua versão dos fatos. Segundo a instituição, há pouco tempo foi iniciado um “processo de automação de vanguarda na emissora” e que agora cabe “agradecer aos colaboradores que estiveram conosco até aqui”.

Leia a seguir a íntegra da nota:

“As novas tecnologias têm imposto desafios diversos para as emissoras de TV. E com a TV São Francisco não é diferente. Por isso recentemente começamos um processo de automação de vanguarda na emissora.  Entendemos que é muito importante investir em tecnologia para garantir a modernização, a competitividade e a qualidade da transmissão para o telespectador. Nesse momento cabe agradecer aos colaboradores que estiveram conosco até aqui nessa jornada. E destacar, por fim, que tanto a estratégia de programação como a produção de conteúdo, e comercialização, seguem locais”.

Juazeiro: TV São Francisco volta a demitir grande número de funcionários

Funcionários da TV São Francisco, emissora filiada a Rede Bahia em Juazeiro, norte do Estado, foram surpreendidos na manhã desta segunda-feira (28) com mais uma onda de demissões. 9 funcionários dos setores administrativo, técnico e coordenação master, local onde são exibidos os comerciais da emissora perderam o emprego na manhã de hoje. Este último setor foi totalmente automatizado e será coordenado diretamente de Salvador sem presença humana no prédio de Juazeiro.

Alguns funcionários iam completar 30 anos de serviços prestados a empresa, ou seja, estavam na emissora desde sua abertura e estavam prestes a se aposentar. Segundo apurou o Portal Preto no Branco, A TV São Francisco alegou a crise causado pelo novo coronavírus, mas a emissora ainda não emitiu nenhuma nota oficial sobre o assunto.

Em maio de 2019, a TV tirou os jornais locais do ar (Jornal da Manhã e BATV) e demitiu 15 funcionários, dando continuidade a uma onda de demissão que começou em 2.015. De lá pra cá o departamento de jornalismo foi praticamente desmontado, sendo reduzido a 6 profissionais que continuam até hoje atuando praticamente para o jornalismo da TV Bahia, em Salvador. Cerca de 50 profissionais já perderam o emprego.

Na época, a afiliada da Rede Globo no estado justificou que “o grupo de comunicação estava realizando um redesenho no seu portfólio de produtos e na governança das suas empresas” e que estava ‘investido na modernização dos processos de trabalho, evoluindo no uso de tecnologias avançadas, o que vem permitindo aumentar a produtividade e manter a segurança operacional”.

A TV Bahia afirmou ainda que as modificações internas tinham como motivo principal para que “alguns profissionais finalizem seus ciclos, seja por aposentadoria, para assumirem novos desafios ou por decisão empresarial”.

A TV São Francisco, antes TV Norte, foi fundada em dezembro de 1990 e até hoje é retransmissora do sinal da TV Globo.

Futebol: Afogados anuncia saída de Pedro Manta

Técnico Pedro Manta.

Pedro Manta não é mais treinador do Afogados. O anúncio foi feito pela Diretoria da Coruja na manhã de ontem (26) e pegou os torcedores de surpresa. Além de Manta, deixam o clube o auxiliar técnico e o preparador físico.

A decisão vem após a eliminação do Afogados na Copa do Brasil. A Coruja perdeu por 2×0 para a Ponte Preta, na terça-feira (25). Confira a nota oficial do clube:

“A diretoria do Afogados da Ingazeira FC informa, que o Técnico Pedro Manta, o Auxiliar Técnico, Allan Max e o Preparador Físico, Deivison Combé não fazem mais parte do clube.

A decisão foi tomada em comum acordo em reunião realizada na manhã desta quarta-feira. O clube agradece aos profissionais pelos serviços prestados à instituição e deseja sucesso em suas carreiras.

Os três fizeram parte direta nas grandes conquistas do Afogados nos últimos anos, escrevendo seus nomes na história do nosso clube. OBRIGADO!”

Contudo, Manta informou ao Super Esportes PE que a decisão foi unilateral. “Me chamaram para conversar agora de manhã, mas tranquilo, cabeça erguida, fizemos história aqui com todas as dificuldades, todas as adversidades. Na verdade, a gente tira leite de pedra das equipes intermediárias. Cabeça erguida”, disse o treinador.

Depois da demissão de Manta, o goleiro Wallef também anunciou que deixou o clube. O arqueiro pediu seu desligamento da Coruja. Ainda não foi anunciado qual será seu futuro.

Em entrevista ao program Super Manhã da Rádio Jornal nesta manhã, Pedro Manta não descartou a possibilidade de voltar a comanda a equipe do Petrolina, no entanto a decisão deve partir da diretoria da Fera Sertaneja.

Decotelli entrega carta de demissão, diz blogueiro

(Foto: Marcos Oliveira/Agência Senado)

O ministro da Educação, Carlos Alberto Decotelli, entregou na tarde desta terça-feira (30) a carta de demissão ao presidente Jair Bolsonaro. É o que informa o blog do Valdo Cruz, Comentarista de política e economia da GloboNews.

Até a última atualização da reportagem, não havia a confirmação de que Bolsonaro aceitou o pedido. A expectativa do governo é encontrar um novo nome para o posto ainda nesta terça.

Após a polêmica sobre títulos que diz possuir, desmentidos pelas instituições de ensino, a própria equipe do presidente aconselhou Decotelli a deixar o cargo.

Embora tenha publicado uma mensagem em rede social elogiando a capacidade do ministro, desde a noite desta segunda, o presidente já dava como insustentável a situação dele. Bolsonaro fez a publicação depois de ter se reunido com Decotelli e ouvido explicações.

São três os pontos questionados no currículo de Decotelli:

  • denúncia de plágio na dissertação de mestrado da Fundação Getúlio Vargas (FGV);
  • declaração de um título de doutorado na Argentina, que não teria obtido;
  • e pós-doutorado na Alemanha, não realizado.

Na última quinta-feira, Bolsonaro anunciou e o “Diário Oficial da União” publicou a nomeação do ministro. Mas no fim de semana, após se tornarem públicas inconsistências em seu currículo, nem chegou a tomar posse.

Teich diz que escolheu sair, mas não explica o motivo

Ex-Ministro da Saúde, Nelson Teich.

Um dia antes de completar um mês no cargo e em meio à explosão de casos e mortes pela epidemia do coronavírus no país, o ex-ministro da Saúde Nelson Teich afirmou nesta sexta-feira (15), em pronunciamento no Ministério da Saúde, que “escolheu” deixar a pasta. Ele fez a afirmação durante um rápido pronunciamento no auditório do ministério ao lado do secretário-executivo, general Eduardo Pazuello, e de técnicos da pasta. O ex-ministro não explicou o motivo que o levou a tomar a decisão.

“A vida é feita de escolhas. E hoje eu escolhi sair”, afirmou o ex-ministro.

Ele disse que não aceitou o convite pelo cargo. “Eu aceitei que achava que poderia ajudar o Brasil e ajudar as pessoas”, afirmou.

LEIA MAIS

Ministro da Saúde demite 13 funcionários; inclusive de áreas estratégicas

Ministro da Saúde, Nelson Teich. (Foto: REUTERS/Adriano Machado)

O ministro da Saúde, Nelson Teich, exonerou 13 servidores da pasta nesta quinta-feira (7). As trocas já estavam previstas desde a saída de Luiz Henrique Mandetta (DEM) do cargo de ministro, em 16 de abril, e algumas mudanças foram feitas a pedido dos servidores.

A nova gestão tem loteado cargos estratégicos com militares e promete também espaços a partidos do Centrão, como PL e PP. Para gestores do SUS, Teich parece “tutelado” pelo Palácio do Planalto e pela ala militar do governo.

LEIA MAIS

Moro nega ter negociado cargo no Supremo com Bolsonaro

(Foto: Reuters)

Poucas horas após anunciar sua demissão, o ex-ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, foi ao Twitter para negar uma acusação feita por Jair Bolsonaro. Em pronunciamento oficial, o presidente afirmou que ex-magistrado havia condicionado a demissão de Maurício Valeixo da Polícia Federal com uma indicação para o Supremo Tribunal Federal.

“O senhor pode tirar o Valeixo, sim, mas em novembro, depois que me indicar para o Supremo Tribunal Federal”, teria dito Moro, segundo Bolsonaro. O ex-magistrado, no entanto, negou que a conversa tenha acontecido. “A permanência do Diretor Geral da PF, Maurício Valeixo, nunca foi utilizada como moeda de troca para minha nomeação para o STF. Aliás, se fosse esse o meu objetivo, teria concordado ontem com a substituição do Diretor Geral da PF”, escreveu.

O então ministro da Justiça e Segurança Pública entregou o cargo após a demissão do diretor-geral da Polícia Federal, Maurício Valeixo. A exoneração de Valeixo, que era homem de confiança de Moro, foi uma decisão de Bolsonaro e aconteceu sem o consentimento do agora ex-ministro. Ele foi pego de surpresa com a publicação da decisão no Diário Oficial nesta sexta-feira e disse que não assinou a exoneração.

Moro elogiou Valeixo, disse que só assumiu o cargo no Ministério porque Bolsonaro havia prometido carta branca e que interferências na PF não aconteceram nem durante a Lava-Jato. “Ontem veio a insistência do presidente [para trocar o comando da PF]. Eu disse que seria interferência política e ele [Bolsonaro] disse que sim”.

Após demissão de Moro, Bolsonaro fará declaração às 17h

(Foto: Internet)

O presidente Jair Bolsonaro anunciou uma coletiva para as 17 horas desta sexta-feira (24) para comentar o pedido de demissão de Sergio Moro, posteriormente o Palácio do Planalto anunciou um pronunciamento do presidente e não uma coletiva.

“Hoje às 17h, em coletiva, restabelecerei a verdade sobre a demissão a pedido do Sr. Valeixo, bem como do Sr. Sérgio Moro”, escreveu no Twitter.

O ministro da Justiça e Segurança Pública, considerado um dos pilares do governo, anunciou sua saída nesta manhã alegando interferência política na Polícia Federal com a demissão de Maurício Valeixo.

Bolsonaro usou a palavra “a pedido” em seu Twitter, indicando que seu argumento será o de que não foi dele a iniciativa para a demissão de Valeixo.

Governo Bolsonaro desmente pedido de demissão de Sérgio Moro

(Foto: Carolina Antunes/PR/Flickr)

Após a Folha de São Paulo publicar uma matéria confirmando que o Ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro, havia pedido demissão, o governo Bolsonaro desmentiu a informação.

Segundo a reportagem, Moro teria pedido para sair após ser avisado sobre a troca do diretor geral da Polícia Federal, cargo atualmente ocupado por Maurício Valeixo, feita pelo presidente da República.

LEIA MAIS

Mandetta é demitido por Bolsonaro e está fora do Ministério da Saúde

Ex-Ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta (Foto: Divulgação)

Em meio à pandemia do novo coronavírus, o presidente Jair Bolsonaro demitiu nesta quinta-feira (16) o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta. A informação foi divulgada pelo próprio ministro em uma rede social.

“Acabo de ouvir do presidente Jair Bolsonaro o aviso da minha demissão do Ministério da Saúde. Quero agradecer a oportunidade que me foi dada, de ser gerente do nosso SUS, de pôr de pé o projeto de melhoria da saúde dos brasileiros e de planejar o enfrentamento da pandemia do coronavírus, o grande desafio que o nosso sistema de saúde está por enfrentar”, escreveu Mandetta.

“Agradeço a toda a equipe que esteve comigo no MS e desejo êxito ao meu sucessor no cargo de ministro da Saúde. Rogo a Deus e a Nossa Senhora Aparecida que abençoem muito o nosso país”, prosseguiu.

Ex-deputado federal, Mandetta estava à frente da pasta desde o início do governo, em janeiro de 2019, e ganhou maior visibilidade com a crise provocada pelo novo coronavírus. Na tarde desta quinta, Mandetta foi chamado ao Planalto para uma última reunião com Jair Bolsonaro.

Nas últimas semanas, contudo, Bolsonaro e Mandetta tiveram divergências públicas em razão das estratégias para conter a velocidade do contágio da Covid-19, doença provocada pelo vírus.

(Com informações do G1)

Mandetta diz que deve deixar o cargo “hoje ou amanhã”

(foto: Minervino Júnior/CB/D.A Press)

O anúncio foi feito durante live nesta quinta-feira (16) com profissionais de saúde. Diante dos colegas de profissão, o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, afirmou que deve ser exonerado pelo presidente Jair Bolsonaro “hoje ou amanhã.

O embate entre ministro e presidente da República tornou-se público há alguns dias. Mandetta vem sendo criticado publicamente por Bolsonaro, que se incomoda com a popularidade e o entrosamento do seu subordinado com integrantes do Legislativo e do Judiciário.

A defesa do ministro em relação ao isolamento social e a quarentena da população também incomodam o chefe do Executivo. “Devemos ter uma situação de troca no ministério que deve se concretizar hoje ou amanhã”, disse o ministro.

O presidente se reuniu, nesta quinta-feira, com nomes de pessoas cotadas para o cargo. Um dos nomes que figuram entre os primeiros lugares da lista é do Oncologista Nelson Teich.3

1234