Polícia Civil de Pernambuco divulga imagem do rosto da criança encontrada morta no Vale Dourado, em Petrolina

(Foto: Divulgação/Polícia Civil)

Com o intuito de identificar a criança encontrada morta no bairro Vale Dourado, em Petrolina (PE), no dia 13 de janeiro, a Polícia Civil de Pernambuco divulgou a imagem do rosto da criança. Trata-se de uma criança de um menino, com idade entre 2 e 3 anos.

O corpo da vítima estava enterrado em uma cova rasa, apenas com um braço exposto, em uma área de Caatinga no Bairro Vale Dourado. O rosto da criança estava desfigurado. Segundo a Polícia, a vítima estava sem roupas e apresentava um hematoma no rosto e a causa da morte foi devido à hemorragia interna por traumatismo abdominal causado por instrumento contundente.

LEIA MAIS

Comissão de Direitos Humanos e Minoria da Câmara Federal repudia demora na elucidação do caso Beatriz

Caso já vai completar quatro anos sem solução. (Foto: Blog Waldiney Passos)

A Comissão de Direitos Humanos e Minoria da Câmara Federal emitiu uma nota no final da tarde dessa quinta-feira (31) repudiando a demora elucidação do crime que vitimou a garota Beatriz, de sete anos, em Petrolina (PE).

O crime ocorreu em 10 de dezembro de 2015, durante uma solenidade de formatura do Colégio Nossa Senhora Maria Auxiliadora. As investigações, a despeito do transcurso de aproximadamente quatro anos, encontram-se ainda na fase de inquérito policial, sem que se tenha conhecimento de que os prováveis autores tenham sido identificados.

Segundo a nota, o governado de Pernambuco, Paulo Câmara, afirmou que iria “acompanhar de perto o caso. Entretanto, conforme relato dos pais da criança, eles não tiveram mais retorno a respeito da investigação”.

LEIA MAIS

Lucinha Mota lança campanha virtual para arrecadar fundos e dar continuidade às investigações particulares do caso Beatriz

Lucinha Mota, mãe de Beatriz Angélica Mota, brutalmente assassinada em dezembro de 2015, durante uma festa de formatura no Colégio Nossa Senhora Auxiliadora, em Petrolina (PE), lançou nesta quinta-feira (24), uma campanha virtual no intuito de arrecadar fundos para a contratação de profissionais especializados para dar continuidade às investigações particulares do caso.

LEIA TAMBÉM

Caso Beatriz: advogado da família engrossa discurso de federalização após denúncia protocolada por Lucinha Mota

“Não me deram a oportunidade de lutar pela vida de minha filha, mas eu lutarei por um inquérito justo, Beatriz não será só um número nas estatísticas da violência, enquanto vida eu tiver lutarei por justiça”, diz Lucinha ao divulgar a campanha nas redes sociais.

Intitulada como ‘Investigação Caso Beatriz’, a campanha lançada no site “Vakinha Virtual” já está aberta e será encerrada no dia 24 de novembro. A família de Beatriz pretende arrecadar R$ 75 mil. “Esse tipo de trabalho é muito custoso, envolve muita gente e equipamentos, coisas que nunca imaginei”, ressaltou Sandro Romilton, pai de Beatriz, em entrevista ao Blog Waldiney Passos.

Corpo da menina e carregador de celular serão periciados para confirmar causa da morte, afirma delegada de Petrolina

Menina morreu eletrocutada (Foto: Reprodução/TV Grande Rio)

O corpo da menina de três anos morta eletrocutada na quinta-feia (24) em Petrolina e o carregador do aparelho celular serão periciados para determinar a causa da morte. A informação foi confirmada pela a delegada Sara Machado, durante entrevista por telefone ao programa Super Manhã com Waldiney Passos, na Rádio Jornal Petrolina.

Segundo a delegada da Polícia Civil, a causa da morte foi a descarga elétrica recebida pela menina. “De acordo com informações de familiares da vítima, foi levantado que a criança colocou na boca um carregador que estava ligado na tomado e devido a descarga elétrica ela veio a óbito. Todas as informações prestadas pela família vão ser confirmadas e confrontadas através das perícia tanto da criança, quanto do aparelho celular”, disse Sara Machado.

LEIA TAMBÉM:

Tragédia em Petrolina: criança morre eletrocutada ao mexer em carregador de celular ligado na tomada

Uma tia da criança estava tomando conta da garota no momento do acidente. Ela e os genitores da menina serão ouvidos novamente na delegacia nos próximos dias. “Nós aguardamos os laudos periciais e nós vamos ter as ouvidas das testemunhas, para em seguida vamos fazer as diligências necessárias para a conclusão do inquérito”, continuou.

O acidente aconteceu na tarde de quinta-feira (24), no Projeto Senador Nilo Coelho – Núcleo 09. Os familiares da garota velaram o corpo da menina durante a manhã, mas não há informações a respeito do sepultamento.

Relatório da PF conclui que Adelio Bispo agiu sozinho

(Foto: TV Globo/Reprodução)

Adelio Bispo de Oliveira agiu sozinho no ataque a Jair Bolsonaro, no último dia 6 em Juiz de Fora (MG). Foi essa a conclusão da Polícia Federal (PF) a ser apresentado em um relatório no inquérito que investiga o atentado ao presidenciável.

Segundo a PF, foram ouvidas 30 pessoas e os sigilos financeiro, telefônico e telemático do acusado foram quebrados, mas não houve indícios da participação de terceiros. A PF também não encontrou nenhuma movimentação suspeita ao analisar as contas bancárias de Adelio.

Um depósito em espécie que seria anormal para o agressor, descobriu-se, era referente a um acerto trabalhista. O cartão de crédito internacional, encontrado na pensão onde ele se hospedou, nunca foi utilizado por ele. Entretanto, as investigações sobre a vida de Adelio continuam.

Ele está preso no presídio federal de Campo Grande (MS) desde o dia 8 de setembro. Adelio desferiu uma facada em Bolsonaro, que segue internado se recuperando no Hospital Albert Einstein, em São Paulo.

Polícia Civil de Petrolina recupera moto clonada

(Foto: Polícia Civil/Divulgação)

Uma motocicleta clonada foi recuperada pela Polícia Civil de Petrolina nessa segunda-feira (6). Investigações da 214 DP foram iniciadas após o proprietário do veículo ter acionado a polícia a respeito de uma notificação de trânsito registrada no bairro Cacheado.

No entanto, o dono da Honda Bros vermelha, placa PJW-7746 nunca esteve em Petrolina. A foto registrada na multa apontou Washington Luiz Pereira dos Santos como condutor infrator, ele contou aos policiais que a moto pertencia a seu primo, Ederson Batista Barbosa.

O veículo teria sido repassado para um terceiro homem, identificado como Orleans. O veículo foi localizado e encaminhado à Delegacia de Polícia Civil.

Orleans foi intimado à comparecer para prestar esclarecimentos, já que a placa da moto havia sido clonada. As investigações foram coordenadas pelos delegados Daniel Moreira e Gregório Ribeiro.

“Fake news” sobre investigações do Caso Beatriz incomodam, afirmam Lucinha e Sandro

(Foto: Arquivo)

As investigações do Caso Beatriz mostraram avanços na semana passada, quando veio à tona a informação de que um mandado de prisão preventiva havia sido expedido contra um ex-prestador de serviço do Colégio Auxiliadora. A negativa da Justiça de Petrolina provocou reações, mas para os pais de Beatriz Angélica Mota, outras atitudes também incomodam.

LEIA TAMBÉM:

“Uma série de erros foram cometidos”, afirma Lucinha Mota sobre investigações do Caso Beatriz

Caso Beatriz: “Eles planejaram com antecedência”, afirma Lucinha Mota

Caso Beatriz: colégio nega que acusado de apagar imagens tenha sido funcionário da instituição

Polícia Civil nega afastamento de Polyanna Neri do Caso Beatriz

Desde o início das investigações notícias falsas – as chamadas “fake news” – têm surgido e para Sandro Romilton, pai da garota, isso só gera falsa expectativa nos familiares. 

“Isso [divulgar a informação de que prenderam algum suspeito] não foi a primeira vez. Quantas vezes falaram que prenderam alguém em Lagoa Grande, lá no interior da Paraíba e a gente fica só na expectativa”, disse Sandro ao Blog Waldiney Passos.

LEIA MAIS

“Uma série de erros foram cometidos”, afirma Lucinha Mota sobre investigações do Caso Beatriz

Na opinião dos pais de Beatriz Angélica Mota, as constantes trocas de delegados no caso atrapalharam as investigações que completarão três anos em dezembro. Desde o crime em 2015, a apuração dos fatos passou pelas mãos de Sara Machado, Marceone Ferreira, Gleide Ângelo e Polyanna Neri, atual responsável pelos trabalhos.

Para Lucinha Mota, mão da menina morta com 42 facadas dentro do Colégio Auxiliadora, as trocas somadas às falhas primárias foram cruciais para demora na elucidação.

LEIA TAMBÉM:

Caso Beatriz Mota: Alisson Henrique pede direito de resposta e nega ter apagado imagens do Colégio Maria Auxiladora

Caso Beatriz: “Eles planejaram com antecedência”, afirma Lucinha Mota

Pais de Beatriz Angélica cobram Judiciário após negativa do pedido de prisão preventiva a funcionário do colégio

“Desde a hora do fato aconteceu, uma série de erros foram cometidos, erros primários, talvez se um delegado assumisse hoje uma delegacia e se deparasse com a situação ele iria ter mais cuidado em lacrar e fechar o local do crime, isso é uma formalidade da polícia”, disse ao Blog.

LEIA MAIS

Polícia Civil nega afastamento de Polyanna Neri do Caso Beatriz

Delegada Polyanna Neri. (Foto: Blog Waldiney Passos)

A Assessoria de Comunicação da Polícia Civil de Pernambuco negou que a delegada responsável pelo Caso Beatriz, Pollyana Neri, tenha sido afastada das investigações. Boatos circularam nas redes sociais nessa segunda-feira (23), indicando sua saída do caso.

Em resposta ao Blog Waldiney Passos, a PC de Recife reafirmou a posição da delegada a frente das investigações. Questionados sobre uma possível busca e apreensão na manhã de hoje, realizada na casa de um suspeito, a Polícia Civil disse não poder revelar informações de casos ainda em andamento.

Pollyana Neri assumiu o Caso Beatriz em novembro de 2017. Beatriz Angélica Mota foi morta dentro do Colégio Nossa Senhora Auxiliadora, em Petrolina, em 10 de dezembro de 2015, durante uma festa. Até hoje o caso continua sem solução, apesar da repercussão nacional.

Polícia estaria ouvindo novas testemunhas do Caso Beatriz

Balões pendurados hoje (10) no Colégio Auxiliadora. (Foto: Blog Waldiney Passos)

Conforme o Blog Waldiney Passos apurou, a Polícia Civil de Petrolina teria ouvido, nessa quinta-feira (24), novas testemunhas do Caso Beatriz, entre eles estudantes do Colégio Nossa Senhora Maria Auxiliadora que estavam no local no dia do homicídio.

A Polícia Civil não se manifestou oficialmente sobre as novas ouvidas de testemunhas, mas ressaltou que o caso nunca esteve parado e as investigações seguem a todo vapor. O caso permanece em segredo de Justiça.

As investigações estão sob o comando da delegada Polyanna Néry desde novembro de 2017. Beatriz Angélica Mota foi assassinada em dezembro de 2015, durante um evento realizado no Ginásio do Colégio. Para tentar solucionar esse caso, a mãe da garota, Lucinha Mota oficializou sua pré-candidatura a deputada estadual pelo PSOL.

Petrolina: cabo do Exército do 72° BIMtz está desaparecido há cinco dias

(Foto: WhatsApp)

Um cabo do Exército do 72° Batalhão de Infantaria Morotizado, que fica em Petrolina (PE), está desaparecido. Oldemárcio de Sousa Pinto, que reside no distrito de Izacolândia, sumiu após sair do serviço do batalhão desde o último sábado (17). Familiares registraram o desaparecimento do militar na Delegacia de Polícia Civil.

Em informações repassadas ao G1, o delegado Daniel Moreira, responsável pelo caso, afirmou que o militar ainda se encontra desaparecido, sem sinal de telefone. De acordo com o delegado, as investigações ainda estão em andamento.

Em nota, 72° Batalhão de Infantaria Morotizado informou que está reunindo todos as esforços para localizar o militar. Ainda segundo o batalhão, o cabo compareceu ao serviço na sexta-feira (16) e foi liberado na manhã do sábado (17). Como o militar não compareceu ao serviço na última segunda-feira (19) foi feito o contato com os familiares, que não souberam informar o paradeiro do militar.

Com informações do G1 Petrolina

Em entrevista exclusiva, pais da garota Beatriz falam sobre os dois anos do caso sem respostas

Os pais da garota Beatriz Angélica, que foi brutalmente assassinada em 10 de dezembro de 2015, estiveram no blog Waldiney Passos para uma entrevista exclusiva. Neste domingo (10), faz dois anos que o fato aconteceu e até o momento o responsável pelo crime foi sequer identificado.

Durante a entrevista, Sandro Romilton e Lúcia Mota falam detalhadamente sobre o andamento das investigações, atuações dos delegados que já passaram pelo caso, erros da Polícia no dia do evento, dificuldade para se chegar às imagens do suspeito, descaso do Colégio Maria Auxiliadora e sobre a caminhada ‘Todos pela Paz’ que acontece neste domingo, às 7h30.

As denúncias sobre o caso podem ser feitas através dos telefones (87) 98137-3902 ou (81) 3719-4545.

Lava Jato só aceita delação com mentiras sobre Lula, diz defesa

Defesa de Lula volta a criticar operação Lava Jato.

Nota publicada nas redes sociais do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmou neste domingo (26) que a Lava Jato só aceita delação premiada de empresas se houver mentiras contra ele ou sua família.

A declaração foi divulgada após reportagem da Folha de S.Paulo afirmar que procuradores da força-tarefa da Lava Jato em Curitiba pressionam o grupo Andrade Gutierrez a delatar Fábio Luís Lula da Silva, o Lulinha, o filho mais velho de Lula.

“Reportagem da Folha fornece novos elementos para demonstrar que os membros da Lava Jato criam versões para tentar prejudicar o ex-presidente Lula e seus familiares e condiciona acordos de delação premiada à confirmação das narrativas mentirosas”, diz trecho da nota.

De acordo com o comunicado, a Lava Jato faz pressão para que os réus e os investigados na operação confirmem “narrativas acusatórias formuladas por seus membros contra Lula e seus familiares”.

Ainda segundo a nota, situações idênticas envolvendo o ex-presidente da OAS Léo Pinheiro e o ex-ministro petista Antonio Palocci foram levadas à PGR (Procuradoria-Geral da República) pela defesa de Lula com pedidos de apuração, mas que foram arquivados sem nenhuma investigação do Ministério Público.

LEIA MAIS

Investigações apontam que quadrilha tentava fraudar todos os concursos públicos

“Eles tentavam fraudar todos os concursos, não apenas o Cebraspe”, disse delegado. (Foto: Arquivo)

A Divisão Especial de Repressão ao Crime Organizado (Deco), da Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF), informou que a quadrilha investigada na segunda etapa da Operação Panoptes, deflagrada nesta segunda-feira (30), tentou fraudar concursos públicos e vestibulares de todas as bancas, não se restringindo apenas aos concursos promovidos pelo Centro Brasileiro de Pesquisa em Avaliação e Seleção e de Promoção de Eventos (Cebraspe) – o antigo Cespe, da Universidade de Brasília. Há suspeitas de que eles tentariam fraudar também o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), mas até o momento isso ainda não foi oficialmente confirmado.

De acordo com os investigadores, no caso de vestibulares, a quadrilha cobrava entre R$ 80 mil e R$ 160 mil. Já no caso dos concursos públicos, o valor cobrado era de 20 vezes o valor do salário a ser recebido. “Muitos davam um sinal entre R$ 10 mil e R$ 20 mil e, depois de assumirem o cargo, faziam empréstimos consignados para pagar o restante”, explicou o delegado Maurilio Coelho Lima, da Delegacia de Repressão ao Crime Organizado (Deco).

Segundo o delegado-chefe adjunto da Deco, Adriano Valente, o chefe da quadrilha é Hélio Ortiz, preso desde a primeira etapa da operação. “Eles tentavam fraudar todos os concursos, não apenas o Cebraspe. Todas as bancas de todos os concursos sofreram tentativas de fraudes. Todos serão objetos de medidas mais duras pela Polícia Civil do Distrito Federal”.

Até o final da manhã de hoje (30), três dos cinco mandados de prisão preventiva já haviam sido cumpridos. Um deles é Ricardo da Silva Nascimento, um ex-funcionário do Cebraspe que já havia sido demitido por suspeitas de participação nessa organização. Ricardo trabalhava no Cebraspe desde 2014, e vinha sendo investigado desde 2016.

“É muito importante frisar que o Cebraspe não participa dessa organização criminosa, e que vem colaborando desde o início, trazendo todas informações necessárias para que pudéssemos pedir a prisão preventiva do Ricardo, que era responsável por digitalizar os gabaritos das provas”, disse o delegado Valente.

LEIA MAIS

Em relatório final, PF diz que Michel Temer embaraçou investigações

(Foto: Internet)

O Supremo Tribunal Federal (STF) divulgou o relatório final sobre as investigações das delações da JBS, enviado no início da noite à Corte pela Polícia Federal (PF). No documento, a PF diz que o presidente Michel Temer e o ex-ministro Geddel Vieira Lima cometeram crime de embaraço às investigações.

A acusação é baseada no áudio da conversa gravada pelo empresário Joesley Batista, um dos donos da empresa, com o presidente, em março, no Palácio do Jaburu. A assessoria do Palácio do Planalto informou que não irá se manifestar sobre o relatório.

“Cumpre-nos, à luz do exposto, respeitando o espectro cognitivo próprio desta sede indiciária, concluir pela prática, em tese, das condutas típicas abaixo especificadas: Michel Miguel Elias Temer Lulia, por embaraçar investigação de infração penal praticada por organização criminosa, na medida em que incentivou a manutenção de pagamentos ilegítimos a Eduardo Cunha, pelo empresário Joesley Batista, ao tempo em que deixou de comunicar autoridades competentes de suposta corrupção de membros da Magistratura Federal e do Ministério Público Federal que Ihe fora narrada pela mesmo empresário”, diz trecho do relatório.

Perícia

A PF também concluiu que não houve edições ou fraude no áudio da conversa gravada pelo empresário Joesley Batista com Temer.  O relatório chegou ao Supremo e foi rremetido à Procuradoria-Geral da República (PGR), órgão que será responsável por eventual denúncia ao Supremo contra o presidente e Geddel.

A perícia na gravação foi solicitada pela defesa de Temer, no mês passado. Os advogados questionam no STF a legalidade da gravação e afirmam que há muitas contradições no depoimento de Joesley Batista.

12